BMFPS

Vista normal Vista MARC Vista ISBD

Fernando Pessoa [Registo sonoro] / por João Villaret e Mário Viegas

Autor principal: Pessoa, Fernando, 1888-1935Autor secundário: Villaret, João, locução, 1913-1961;Viegas, Mário, locução, 1946-1996Idioma: Português.País: Portugal.Publicação: [Lisboa] : Companhia Nacional de Música, 2010Descrição: 3 discos (CD) : digital audioClassificação: 612.BDVPNota de conteúdo: Contém: Disco 1: Excerto de uma ode ; Cruzou por mim, veio ter comigo, numa rua da baixa ; Tabacaria / Álvaro de Campos. Autopsicografia ; Isto ; Sonetos 13 e 14 dos passos da cruz ; A múmia ; Ó sino da minha aldeia ; Ela canta, pobre ceifeira ; Gato que brincas na rua ; Liberdade ; O menino da sua mãe ; O mostrengo / Fernando Pessoa Ortónimo. 4 odes : a) não consentem os deuses mais que a vida ; b) como se cada beijo ; c)o ritmo antigo que há em pés descalços ; d) ponho na altiva mente o fixo esforço / Ricardo Reis. Três poemas de o guardador de rebanhos : a) XX : O Tejo é mais belo que o rio que corre na minha aldeia ; b) XXVIII : Li hoje quase duas páginas ; c) XXXII : Ontem à tarde um homem das cidades / Alberto Caeiro Disco 2: O guardador de rebanhos: I- Eu nunca guardei rebanhos ; II-O meu olhar é nitido como um girassol ; III-Ao entardecer, debruçado pela janela ; IV- Esta tarde a trovoada caiu ; V- Há metafisica em não pensar em nada ; VI - Pensar em deus é desobedecer a deus ; VII- Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver o universo ; VIII - Num meio dia de fim de semana de primavera ; IX- Os pastores de Vírgilio tocam avenas ; XIII - Leve, leve, muito leve ; XIV - Não me importo com as rimas ; XV- As quatro canções que seguem ; XVI - Quem me dera que a minha vida fosse um carro de bois ; XVII - No meu prato que mistura de natureza ; XVIII- - Quem me dera que eu fosse o pó da estrada ; XIX - O luar quando bate na relva ; XX- O Tejo é mais belo que o rio que corre na minha aldeia ; XXI- Se eu pudesse trincar a terra toda ; XXII- Como quem num dia de verão abre a porta de casa ; XXIII- O meu olhar azul como o céu ; XXIV- O que nós vemos das coisas são as coisas ; XXV - As bolas de sabão que esta criança ; XXVI - Às vezes em dias de luz perfeita e exacta ; XXVII - Só a natureza é divina e ela não é divina ; XXVIII- Li hoje quase duas páginas ; XXIX - Nem sempre sou igual no que digo e escrevo ; XXX - Se quiserem que eu tenha um misticismo está bem ; XXXI - Se às vezes digo que as flores sorriem / Alberto Caeiro Disco 3: O guardador de rebanhos: XXXII - Ontem à tarde um homem das cidades ; XXXIII - Pobres das flores nos canteiros dos jardins dos jardins regulares ; XXXIV - Acho tão natural que não se pense ; XXXV - O luar através dos altos ramos ; XXXVI - E há poetas que são artistas ; XXXVII - Como um grande borrão sujo ; XXXVIII - Bendito seja o mesmo sol de outras terras ; XXXIX - O mistério das coisas onde está ele ; XL - Passa uma boboleta por diante de mim ; XLI - No entardecer dos dias de verão ; XLII - Passou a diligência pela estrada e foi-se ; XLIII - Antes o vôo da ave que passa e não deixa rasto ; XLI - Acordo de noite subitamente ; XLV - Um renque de árvores lá longe lá para a encosta ; XLVI - Deste modo ou daquele modo ; XLVII - Num dia excessivamente nitido ; XLVIII - Da mais alta janela da minha casa ; XLIX - Meto-me para dentro e fecho a janela ; Alguns Poemas inconjuntos: É noite ; Pouco me importa ; A espantosa realidade das coisas ; Nunca sei ; Criança desconhecida ; Pastor do monte ; Um dia de chuva ; Primeiro prenúncio ; Quando tornar a vir a primavera ; Se eu morrer de novo ; Se depois de eu morrer ; quando vier a primavera ; Quando a erva crescer ; A neve ; É talvez o último dia da minha vida / Alberto Caeiro Assunto - Nome comum: Compact disc | Fonograma não musical | Poesia | Séc. XX Assunto - Nome geográfico: Portugal
Etiquetas desta biblioteca: Sem etiquetas desta biblioteca para este título. Iniciar sessão para acrescentar etiquetas.
    classificação média: 0.0 (0 votos)
Tipo de documento Localização Biblioteca de inscrição Cota Número de cópia Estado Data de devolução Código de barras
Cdrom Cdrom Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos (BPS)
Sala de Adultos (Piso 1)
612 PES (Ver prateleira) CD 1159-I Emprestado 16/12/2021 0091916
Cdrom Cdrom Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos (BPS)
Sala de Adultos (Piso 1)
612 PES (Ver prateleira) CD 1160-II Emprestado 16/12/2021 0091917
Cdrom Cdrom Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos (BPS)
Sala de Adultos (Piso 1)
612 PES (Ver prateleira) CD 1161-III Emprestado 16/12/2021 0091918

Contém: Disco 1: Excerto de uma ode ; Cruzou por mim, veio ter comigo, numa rua da baixa ; Tabacaria / Álvaro de Campos. Autopsicografia ; Isto ; Sonetos 13 e 14 dos passos da cruz ; A múmia ; Ó sino da minha aldeia ; Ela canta, pobre ceifeira ; Gato que brincas na rua ; Liberdade ; O menino da sua mãe ; O mostrengo / Fernando Pessoa Ortónimo. 4 odes : a) não consentem os deuses mais que a vida ; b) como se cada beijo ; c)o ritmo antigo que há em pés descalços ; d) ponho na altiva mente o fixo esforço / Ricardo Reis. Três poemas de o guardador de rebanhos : a) XX : O Tejo é mais belo que o rio que corre na minha aldeia ; b) XXVIII : Li hoje quase duas páginas ; c) XXXII : Ontem à tarde um homem das cidades / Alberto Caeiro Disco 2: O guardador de rebanhos: I- Eu nunca guardei rebanhos ; II-O meu olhar é nitido como um girassol ; III-Ao entardecer, debruçado pela janela ; IV- Esta tarde a trovoada caiu ; V- Há metafisica em não pensar em nada ; VI - Pensar em deus é desobedecer a deus ; VII- Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver o universo ; VIII - Num meio dia de fim de semana de primavera ; IX- Os pastores de Vírgilio tocam avenas ; XIII - Leve, leve, muito leve ; XIV - Não me importo com as rimas ; XV- As quatro canções que seguem ; XVI - Quem me dera que a minha vida fosse um carro de bois ; XVII - No meu prato que mistura de natureza ; XVIII- - Quem me dera que eu fosse o pó da estrada ; XIX - O luar quando bate na relva ; XX- O Tejo é mais belo que o rio que corre na minha aldeia ; XXI- Se eu pudesse trincar a terra toda ; XXII- Como quem num dia de verão abre a porta de casa ; XXIII- O meu olhar azul como o céu ; XXIV- O que nós vemos das coisas são as coisas ; XXV - As bolas de sabão que esta criança ; XXVI - Às vezes em dias de luz perfeita e exacta ; XXVII - Só a natureza é divina e ela não é divina ; XXVIII- Li hoje quase duas páginas ; XXIX - Nem sempre sou igual no que digo e escrevo ; XXX - Se quiserem que eu tenha um misticismo está bem ; XXXI - Se às vezes digo que as flores sorriem / Alberto Caeiro Disco 3: O guardador de rebanhos: XXXII - Ontem à tarde um homem das cidades ; XXXIII - Pobres das flores nos canteiros dos jardins dos jardins regulares ; XXXIV - Acho tão natural que não se pense ; XXXV - O luar através dos altos ramos ; XXXVI - E há poetas que são artistas ; XXXVII - Como um grande borrão sujo ; XXXVIII - Bendito seja o mesmo sol de outras terras ; XXXIX - O mistério das coisas onde está ele ; XL - Passa uma boboleta por diante de mim ; XLI - No entardecer dos dias de verão ; XLII - Passou a diligência pela estrada e foi-se ; XLIII - Antes o vôo da ave que passa e não deixa rasto ; XLI - Acordo de noite subitamente ; XLV - Um renque de árvores lá longe lá para a encosta ; XLVI - Deste modo ou daquele modo ; XLVII - Num dia excessivamente nitido ; XLVIII - Da mais alta janela da minha casa ; XLIX - Meto-me para dentro e fecho a janela ; Alguns Poemas inconjuntos: É noite ; Pouco me importa ; A espantosa realidade das coisas ; Nunca sei ; Criança desconhecida ; Pastor do monte ; Um dia de chuva ; Primeiro prenúncio ; Quando tornar a vir a primavera ; Se eu morrer de novo ; Se depois de eu morrer ; quando vier a primavera ; Quando a erva crescer ; A neve ; É talvez o último dia da minha vida / Alberto Caeiro

Não há comentários disponíveis sobre este título.

Entre na sua conta para publicar um comentário.